Jornal Vascular Brasileiro
https://jvascbras.org/article/doi/10.1590/1677-5449.200094
Jornal Vascular Brasileiro
Case Report

Síndrome compartimental no primeiro interósseo dorsal: relato de caso

Compartment syndrome in the first dorsal interosseous compartment: case report

Clara Wilma Fernandes Rosendo; José Rodolfo Lopes de Paiva Cavalcanti; Raimundo Rosendo de Oliveira

Downloads: 0
Views: 291

Resumo

Resumo: O diagnóstico da síndrome compartimental em regiões que não são frequentemente afetadas, por possuírem uma boa relação continente-conteúdo, pode se tornar difícil, uma vez que o cirurgião terá dificuldades em alcançar um diagnóstico apenas por um sinal ou sintoma isolado. Assim, muitas vezes, pode-se protelar a conduta adequada, desencadeando danos ao paciente. A paciente era uma mulher, de 29 anos, que foi atendida com dor em mão esquerda por queimadura, com lesão em região anterior à tabaqueira anatômica de tamanho significativo. A paciente já havia sido submetida a cirurgia na sua cidade de origem com desbridamento de pele e tecido subcutâneo há 30 dias, com evolução sem melhora do quadro doloroso. Estava em uso de antibioticoterapia (ceftriaxona 1 g de 12 em 12 horas) e analgesia com dose terapêutica de morfina de 8 em 8 horas.

Palavras-chave

síndromes de compartimento, fasciotomia, queimaduras

Abstract

In areas that are not commonly affected by compartment syndrome because they have a good content/container ratio, diagnosis of the condition can be a challenge, since surgeons will find it difficult to make a diagnosis on the basis of an isolated sign or symptom. As a result, the correct treatment can very often be delayed, causing harm to the patient. In this case, the patient was a 29-year-old woman who was seen for a painful left hand secondary to a large burn injury to the area anterior of the anatomical snuffbox. She had already undergone surgery in her home town 30 days previously, with debridement of skin and subcutaneous tissue, but the pain had not improved. She was on antibiotic therapy (ceftriaxone, 1g every 12 hours) and analgesia, with therapeutic morphine doses every 8 hours.

Keywords

compartment syndromes; fasciotomy; burns.

References

1 Oliveira RA, Nigri EL. Sutura elástica no tratamento de escarotomias e fasciotomias de pacientes queimados. Rev Bras Queimaduras. 2012;11(2):63-6.

2 Baumfeld D, Pereira A, Lage C, Miura G, Gomes Y, Nery C. Síndrome compartimental aguda não traumática em atleta de futebol tratada por fasciotomia descompressiva segmentar: relato de caso. Rev Bras Ortop. 2018;53(2):244-7. http://dx.doi.org/10.1016/j.rbo.2017.02.005. PMid:29911093.

3 Maciel A, Dominguete M, Silva J No. Anestésico tópico para liberação de pontos-gatilhos em síndrome dolorosa miofascial. BrJP. 2018;1(2):147-50.

4 Via AG, Oliva F, Spoliti M, Maffulli N. Acute compartment syndrome. Muscles Ligaments Tendons J. 2015;5(1):18-22. PMid:25878982.

5 Carvalho CM, Faria GEL, Milcheski DA, Gomez DS, Ferreira MC. Estudo clínico epidemiológico de vítimas de queimaduras elétricas nos últimos 10 anos. Rev Bras Queimaduras. 2012;11(4):230-3.

6 Henríquez J, Yáñez G, Searle S. Alternativas de cierre de fasciotomías en extremidades. Rev Chil Cir. 2018;70(2):185-93. http://dx.doi.org/10.4067/s0718-40262018000200185.

7 Mendes R, Pedro I, Sousa A. Síndrome compartimental do antebraço. Rev Port Ortop Traumatol. 2014;22(1):127-34.
 


Submitted date:
06/02/2020

Accepted date:
10/05/2020

6064cbf0a95395704f5b3e13 jvb Articles

J Vasc Bras

Share this page
Page Sections